quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

18 de Janeiro de 2011. Estação da Sé: EU ESTIVE LÁ!



        
  Tudo ocorreu bem nos dois primeiros dias da segunda fase do vestibular da Unicamp,e estávamos crentes de que no terceiro e último dia também seria assim...
            Ao sairmos da faculdade,nos dirigimos à estação da rua Vergueiro,e de lá fomos até a estação da Luz...e foi onde tudo começou...
            Nos informaram que a linha 11 da CPTM, que se dirige a Guaianazes,não estava funcionando,e nos aconselharam a voltar de metrô até a estação da Sé,que de lá eles nos informariam da situação.
            Chegando à Sé,fomos informados de que os trens estavam trafegando com velocidade reduzida,e estavam saindo das estações do Brás,Tatuapé e Corinthians Itaquera,devido a isso,todos estavam se dirigindo ao metrô para chegarem a essas estações.
            Prestaram atenção no que eu disse? TODOS ESTAVAM SE DIRIGINDO AO METRÔ! Todas aquelas centenas de pessoas!
            Uma vez no meio da multidão,fomos levados por ela! Alguns se revoltaram e fizeram até grito de guerra,era mais ou menos assim “ puta que pariu,o metrô é o lixo do Brasil”,houve alguns tumultos,outros passaram mal,...
            Naquele calor insuportável,levantávamos à cabeça tentando encontrar um pouco de oxigênio no meio à aquele caos.
            Quando um metrô parava,mesmo estando lotado,a multidão desafiava uma lei da física,na qual diz que dois corpos jamais seriam capazes de ocupar o mesmo espaço.
            Era mais que um empurra-empurra,era uma tentativa desesperada de tentar sair dali,era uma mistura de revolta com cansaço,que os faziam agir daquela maneira,como animais enlouquecidos.
            Depois de várias tentativas frustradas,conseguimos entrar em um,mas não sem sacrifício,nos machucamos muito tentando cruzar a porta.
            Aparentemente a situação não podia ficar pior...engano meu! Como diria Marphy,nada está tão ruim que não possa piorar...
            O Metrô parou no meio do caminho,e pediram para nos retirarmos dele.
            Ficamos na estação Pedro II,um bom tempo,pois todos os outros metrôs que chegavam,estavam tão lotados quanto aquele que descemos.
            Depois de uma longa espera,conseguimos embarcar.
            Nos dirigimos a Corinthians Itaquera,uma das estações sugeridas para pegarmos o trem.
            Ao chegarmos lá,havia uma pequena multidão à nossa frente,que aparentemente estavam tentando passar para o embarque dos trens sem pagar,e para a nossa surpresa,os trens não estavam funcionando por lá.A revolta aumentou,começaram a bater nas luzes com guarda-chuvas,ofender aos funcionários...nisso eis que eu me viro para trás,e vejo vários policiais armados,peço para os meus dois amigos,que estavam ao meu lado,para que olhem também,Mateus e Arthur.
            Os PMs foram até a frente de todos,não conseguíamos ver o que estava acontecendo,mais sabíamos que coisa boa não era.
            Ouvi um barulho parecendo um tiro, e me afastei um pouco,meus amigos vieram até mim,e disseram que era a batida do guarda-chuva na lâmpada.
            Ouvi novamente outro barulho se assemelhando a um tiro,me afastei mais e comecei a chorar,disseram que era a multidão revoltada destruindo algo. E que não deveríamos ter medo de policias.
            De repente,todos começaram a correr,vimos os policiais atirando em tudo que aparecesse na frente deles,lançando bombas de gás lacrimogêneo,...
            Começamos a correr,sem saber para onde,subimos umas escadas e entramos no primeiro metrô que vimos,sem ao menos saber para onde ele ia.
            Lá dentro começamos a sentir os efeitos do gás,ao respirarmos tínhamos a impressão de estar engolindo fogo,queimava muito,como se estivéssemos bebendo caldo de pimenta.
            Estávamos até pensando na hipótese de dormir na estação,pegar um ônibus rodoviário,e voltar para casa apenas de manhã.
            Felizmente o metrô que pegamos ia para direção de Tatuapé.
            Chegando lá,nós fomos perguntar para um funcionário como poderíamos chegar a Guaianazes,ele perguntou para onde nós queríamos ir,e disse que seria melhor nós pegarmos um trem em direção à Calmon Viana,e de lá,nos dirigirmos à Mogi.
            As coisas estavam começando a dar certo,até que...os funcionários começaram a pedir para que as outras pessoas também dessem preferência a esse caminho. E eis que nossa paz acaba.Resolvemos adotar a política do “THIS IS SPARTA”,e entramos no trem seguinte...em Calmon pegamos o trem que vinha para Mogi...
            Quando conseguimos sentar,um se encostou no outro.Estávamos cansados,revoltados,bravos,com raiva da maldita administração de São Paulo,mas estávamos indo para casa...

2 comentários:

  1. dia horrível... o verdadeiro Brasil que ninguém quer mostrar. quem vive conhece, quem convive sabe. mesmo assim eu estava com amigos =)

    ResponderExcluir
  2. e quase foi o nosso fim...
    Perdoe-me por ter chorado...

    ResponderExcluir