segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Memórias de um Louco


Meia noite o sol brilhava no horizonte. Um negro careca penteava seus lindos cabelos loiros contemplando a beleza feia da natureza.
A sua direita, do lado esquerdo, um cego lia um jornal sem letras e de ponta cabeça. Atrás de sua frente um jacaré voava devagar em alta velocidade.
Logo depois, um pouco antes, um elefante descansava na sombra de um pé de cenoura.
A esquerda da sua frente, um mudo gritava bem baixo: ”o mundo é uma bola quadrada que navega na onda de um lago sem água.”
Alguém sentado em uma pedra mole de madeira, calado, dizia: “prefiro mil vezes morrer a perder a vida!”
Longe dali, bem perto, num bosque sem árvores, pastavam alguns passarinhos, e, as vacas pulavam de galho em galho a procura de seus ninhos.
Um cego dizia calado a um paralítico que corria bastante: “é melhor ser cego do que não ver nada!”
Mas adiante, um pouco atrás, um surdo escutou as minhas recentes gravações do ano passado.
Enquanto isso, um pouco antes, um pintor pintava um lindo quadro, tão feio que até o cego enxergava direitinho!